10 de jun de 2012

Namoro: delícias e desafios de se relacionar


A chegada do dia dos namorados não significa apenas presentear e fazer coisas agradáveis com quem você ama, mas pode ser um momento de re-pensar o significado da sua relação já que a atenção esta voltada para o relacionamento.
A palavra namoro, às vezes, tão agradável, vem da expressão Espanhola estar en amor, que acabou formando o verbo enamorar, que originou o nosso namoro. Além de estar em amor, é um tempo de conhecimento do parceiro, de concretizar a escolha de um companheiro para intimidade, diálogo e romance.
Entretanto um namoro não é apenas estar en amor, remete também renúncias, dedicação e compromisso. Um comentário frequente é que “todo namoro no início é lindo e perfeito”, então o que será que ocorre depois desse “início”?
Quando se inicia um namoro você esta envolvido por paixão que faz com que a pessoa perca a dimensão das coisas como elas realmente são, como uma compra por impulso, os pequenos defeitos identificados passam despercebidos pela admiração inicial de ter encontrado o par perfeito, uma idealização objetivada por muitos. Depois que a paixão acaba, os problemas tomam suas reais dimensões e a pessoa começa a pensar sobre esse par perfeito que não é tão perfeito assim, iniciam-se as discussões e brigas comuns em namoro e esse passa a não ser tão delicioso como se esperava.
Alguns motivos de brigas são comuns nos namoros, como ciúmes, objetivos diferentes, falta de expressar o que sente e posse. O ciúme tido como veneno de um relacionamento é justificado pela falta de confiança em si mesmo, por variadas questões vividas e aprendidas desde a infância à pessoa não sabe lidar com o outro diferente de si e tenta tomá-lo para si ao máximo criando a falsa crença de controle da situação e segurança para continuar adiante com essa posse, que pode ser vista para o parceiro como uma prisão, mas uma prisão que se tem escolha de permanecer ou não. A questão aqui é também a confiança, que é mútua, em si e no companheiro, pois antes de conhecer seu parceiro ele (a) já tinha uma vida tomada de relações sociais e afetivas, você chega e ele (a) deixa entrar para completar essas relações, lembrem-se eu disse “deixa entrar” e não “invadir”, como é comum se ver pegar senhas de emails, mexer no celular ou carteira, sempre em busca de algo que possa provar as fantasias de infidelidade que você tem, nesse ponto o namoro já não esta saudável, pois estar enamorar é uma forma de se sentir bem e feliz e não causa de sofrimento a si e ao outro.
Há pessoas que se perdem meio a um namoro, deixam de ser quem se é, fazendo de tudo para agradar o outro, como se a qualquer erro pudesse perdê-lo. Abdicam dos seus próprios desejos, amizades entre outras atividades para satisfação do amado (a) até chegar um dia, se chegar, que não se percebem no relacionamento solitário, um vive para o outro e só, fica difícil manter a máscara, segurar o desejo de estar com outras pessoas também, de fazer as atividades que davam prazer e assim o sofrimento toma mais uma vez o lugar da satisfação.
Muitas vezes pela “compra por impulso” não se percebe que a pessoa tem objetivos muito diferentes dos seus, ela não quer ter filhos, ele quer ter um time de futebol, ele quer ser um coroa viajante, ela uma dona de casa amorosa, são inúmeros os exemplos vistos nos namoros, por isso é legal conhecer bem o parceiro antes de firmar um compromisso e formar um laço emocional.
Outro ponto que pode deixar o namoro delicioso ou desastroso é a valorização do parceiro, admiração pela pessoa que ele (a) é, pelas coisas que faz, fala verdade, nada melhor que um elogio da pessoa amada, não?
Por fim, o amor não é cego, mas a paixão é, porém também passageira, por isso é importante conhecer bem a pessoa que esta se relacionando, o capitalismo pode dar  falsa impressão de que você tem muitas escolhas, mas não é qualquer escolha que satisfaz, não é “pulando de galho em galho” que se acha a “pessoa certa”, mas conhecer “certo” o que você deseja e investir na satisfação dos seus desejos e do seu companheiro.
Então desejo aos namorados muitos elogios, carícias, sensualidade e amor não só neste dia dos namorados, mas todos os dias com seu parceiro, sem esquecer dos seus valores e objetivos de estar nesta relação, sem esquecer de você mesmo e dos seus desejos, pois  mais uma vez, amor não é cego, ele vê, sente, cheira, ouve e experimenta, então que tal experimentar também as delícias de se enamorar!

Psicoterapeuta - CRP 04/32033
Clínica Acolher: 3083-6720


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...