25 de jun de 2012

Saber dizer não: o aprendizado do comportamento assertivo.


A interação com os outros pode configurar-se como fonte de estresse na medida em que não sabemos nos comportar de forma assertiva ou socialmente habilidosa. Não são raras as vezes em que dizemos “sim” quando gostaríamos ou precisaríamos dizer “não”. Algumas situações são típicas: um colega de trabalho pede que faça algo por ele, e mesmo sem poder você diz sim pois não quer que seu colega fique chateado com você. Em uma loja, você entra interessado em um produto e o vendedor diz: o que mais deseja para hoje? É só isso mesmo? Tem algo que você vai adorar...e constrangido você acaba adquirindo o que não precisava pela dificuldade de dizer não e para se livrar logo daquela situação. Tais atitudes demonstram um jeito passivo do comportamento e não assertivo. A passividade faz as pessoas assumirem coisas que estão muito além do seu alcance e com o tempo os “passivos” começam a sentir-se cansados, estressados, chorosos e enfadados. Culturalmente, aprendemos que dizer não é ser egoísta ou sem educação, porém temos que rever este conceito. Assim, precisamos aprender a sermos mais habilidosos e desenvolver o comportamento assertivo.
Ser assertivo é expressar ao outro a maneira como você pensa e sente. É agir de modo a priorizar seus interesses e necessidades, respeitando os seus direitos e os diretos dos outros. A pessoa assertiva consegue dizer com tranquilidade à um vendedor quando o mesmo está tentando vender algo que não precisa: “Não, obrigada. Eu preciso somente deste produto.” Dizer a um colega de trabalho quando não tem condições de ajudá-lo ou tem condições de ajudar em partes: “Eu poderia atender parte do seu pedido” ou “Também estou com muito trabalho, e neste momento não tenho como ajudá-lo”. Ser assertivo compreende estar com o outro e não fazer pelo outro. Quando agimos de forma assertiva nos sentimos melhor conosco e com as pessoas a nossa volta, pois estabelecemos relações mais honestas; adquirimos uma postura mais ativa, tomando decisões e agindo de forma a obter o que realmente se deseja; melhoramos a autoconfiança na medida em que se temos um maior controle das situações cotidianas; e sabemos nos respeitar mais e conquistar o respeito das pessoas a nossa volta.
A “Lista dos direitos humanos básicos” baseado no “The assertive option: Your rights and responsabilities” de P.Jakubowski e A.Lange (1978) configura-se como um instrumento para que as pessoas que desejam tornar-se mais assertivas consiga fazê-lo na medida em que conheçam esses direitos passem a exercê-los. São eles:
  • O direito de ser tratado com respeito e dignidade.
  • O direito de negar pedidos sem ter que sentir-se culpado ou egoísta.
  • O direito de experimentar e expressar seus próprios sentimentos.
  • O direito de parar e pensar antes de agir.
  • O direito de mudar de opinião.
  • O direito de pedir o que quiser (entendendo que a outra pessoa tem o direito de dizer não).
  • O direito de fazer menos do que é humanamente capaz de fazer.
  • O direito de ser independente.
  • O direito de decidir o que fazer com seu próprio corpo, tempo e  propriedade.
  • O direito de pedir informação.
  • O direito de cometer erros – e ser responsável por eles.
  • O direito de sentir-se bem consigo mesmo.
  • O direito de ter suas próprias necessidades e que essas sejam tão importantes quanto as dos demais. Além disso, temos o direito de pedir (não exigir) aos demais que correspondam as nossas necessidades e de decidir se  satisfazemos as dos demais.
  • O direito de ter opiniões e expressá-las.
  • O direito de decidir se satisfaz as expectativas de outras pessoas ou se comporta-se seguindo seus interesses – sempre que não viole os direitos dos demais.
  • O direito de falar sobre o problema com a pessoa envolvida e esclarecê-lo, em caso limite em que os direitos não estão totalmente claros.
  • O direito de obter aquilo que paga.
  • O direito de ter direito e defendê-los.
  • O direito de ser escutado e levado a sério.
  • O direito de estar só quando assim o desejar.
  • O direito de fazer qualquer coisa enquanto não viole os direitos de outra pessoa.

Exercendo seus direitos, comportando-se de maneira assertiva, sabendo dizer não quando realmente for necessário você poderá perceber o quanto se sentirá mais leve, mais relaxado e bem consigo mesmo!

Psicóloga clínica
CRP 23049/04
(34) 3083-6720


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...