28 de mai de 2013

Motivar-se e lidar com as emoções: aspectos fundamentais no alcance de seus objetivos.

Por Teresa Cristina Martins

É natural do ser humano fazer planos, traçar objetivos pessoais e profissionais, bem como idealizar-se no futuro conquistando aquilo que sonhou. No entanto, realizar metas exige todo um processo. Parte desse processo envolve aspectos mais práticos, como por exemplo, adquirir recursos materiais, físicos e até pessoas que talvez você necessite para alcançar o que quer. Outra parte dessa caminhada refere-se aos aspectos emocionais envolvidos, que muitas vezes não são tão simples assim.
Um dos fatores primordiais para iniciar algo é estar motivado. A palavra motivação vem do latim “movere”, que significa mover. Assim, a motivação é o elemento que leva a pessoa a agir para atingir seus objetivos através de um comportamento orientado. Delinear  os motivos que o levam a querer algo é de suma importância, uma vez que são estes que provocam, mantém e determinam as atividades, ações e orientam o comportamento das pessoas, podendo ser entendidos como “as molas propulsoras da ação”.
O processo motivacional passa por um ciclo, denominado “Ciclo Motivacional”. Este surge de uma necessidade que é identificada pela pessoa. Esta por sua vez constitui-se como uma força persistente e dinâmica que provoca uma tensão no indivíduo a fim de que este produza um comportamento em resposta à necessidade. Se o comportamento for eficaz, a satisfação ocorre voltando a um equilíbrio interno que antes havia entrado em desequilíbrio pela tensão causada por uma determinada necessidade.
Mas, nem sempre as ações geradas são eficazes. Aspectos emocionais tais como estresse, ansiedade, tensão dentre outros podem surgir no decorrer do processo e atrapalhar o alcance dos objetivos.
Gostaria de dar destaque à ansiedade, que faz parte da condição humana. Em uma vertente positiva, esta emoção pode nos levar a ter um maior senso de consciência e responsabilidade com relação às coisas que queremos cuidar ou realizar. Porém, quando a ansiedade vem em doses exageradas pode causar estresse, cansaço, desânimo e até levar a pessoa a paralisia diante de seus projetos.O medo é o sentimento que anda de “mãos dadas” com a ansiedade. “Medo de não conseguir”, “medo de dar errado”, “medo de falhar” são um conjunto de ideias que se persistentes, podem gerar reações muito desagradáveis na vida das pessoas levando a perdas e a transtornos de humor.
Dessa forma, temos que, bem como estar motivado é fundamental para o alcance dos seus objetivos, manter a ansiedade em níveis desejáveis também é parte importante neste processo. Mas como fazer isso? Algumas dicas podem ajudá-lo:
  • Identifique a causa da sua ansiedade. A fonte ansiogênica pode ser um novo projeto, um relacionamento, o nascimento de um bebê, mudança de emprego, dentre outros. Assim que identificar, aceite sua ansiedade. Ao aceitar que está ansioso você terá mais condições de lidar com esta emoção.
  •  Examine seus pensamentos. Geralmente, as pessoas quando estão muito ansiosas tendem a ter pensamentos “catastróficos” sobre o futuro, ou seja, pensam no pior, que as coisas não vão dar certo, ou que são incapazes e não irão conseguir. Muitas vezes o “E se”, atormenta ainda mais os ansiosos: “E se eu não conseguir?”, “E se isso vier a ocorrer?”, “E se ninguém gostar de mim?”. Pensamentos castróficos aumentam a ansiedade e paralizam a pessoa.
  •  Questione os pensamentos castatróficos. Pare e pense: Que provas eu tenho de que este pensamento é verdadeiro? Exemplo: “Eu não vou conseguir”, Que provas eu tenho contra este pensamento?, ou seja, que posso conseguir? Mesmo que o pensamento possa ser verdadeiro, ele é útil? Qual a utilidade de pensar no pior? Ainda que aconteça algo ruim, eu poderia superar isso? O que eu diria a um amigo que estivesse nessa mesma situação? Após questionar os pensamentos catastróficos, você poderá perceber que muita coisa não passa de imaginação ansiosa.
  • Tome uma atitude com relação à sua ansiedade. A essa altura você já identificou a causa da ansiedade, já examinou os pensamentos e os questionou. Então diga para a sua ansiedade, você pode ficar por aí algum tempo, mas eu vou continuar a fazer as coisas que desejo fazer. Faça as coisas talvez mais devagar, mas continue ativo. Aja como se não estivesse ansioso.
  • Respire. Faça uma respiração profunda e pausadamente. O exercício de respiração ajuda a diminuir a tensão e relaxar o corpo. Na medida em que a tensão diminui você experimenta sensações mais agradáveis. É certo que a ansiedade poderá estar presente, mas agora você já sabe como fazer para mantê-la em níveis normais.
Estar atento aos aspectos emocionais que envolve a realização dos seus objetos é algo que poderá ajudá-lo no alcance dos mesmos de forma mais saudável e menos desgastante. Como supracitado, manter-se motivado, tendo sempre uma noção clara dos motivos e saber lidar com a ansiedade são peças-chave na realização pessoal e profissional.
Mesmo diante dos obstáculos sejam de ordem prática ou emocional é preciso seguir em frente com determinação, foco e persistência. Pois o sucesso é construído  do dia a dia vencendo batalhas e comemorando cada vitória que nos aproxima do que almejamos do fundo dos nossos desejos.

Psicoterapeuta e Psicóloga Clínica
CRP 23049/04
(34) 3083-6720

*Artigo publicado na revista Nova Alternativa no mês de março/2013 - 1ª edição.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...