17 de mai de 2016

Alexitimia- A fala rouca do coração

  Descrever sentimentos, falar sobre as sensações do corpo, identificar, distinguir todas essas sensações é comum no dia a dia ou no processo psicoterapêutico quando estamos diante à estímulos, seja relatando, assistindo ou imaginando, mas nem todos indivíduos têm isso como um processo natural de descarga de emoções, ou seja, não é egossintônico.
  Desde o surgimento e prática da  Psicologia na década de 60,  psicólogos foram percebendo que um número elevado de pacientes tinham dificuldades para falar de suas emoções e sentimentos, conceituando-se como alexitimia.
   A alexitimia é uma perturbação que prejudica o processamento emocional, em que as pessoas tendem a ter dificuldades de expressar, identificar  e descrever o estado emocional e os sintomas físicos de forma adequada. A alexitimia surgiu nos estudos da psicossomática, tendo o termo fundado por Sifneos nos anos 70 na Universidade de Harvard, e hoje pode-se descrever a alexitimia em algumas características como:

- Dificuldades de identificar sentimentos
- Saber distinguir entre sentimentos e sensações físicas de um determinado estímulo
- Dificuldades de descrever sentimentos à outras pessoas
- Diminuição nos processos cognitivos (atenção, imaginação, memória, pensamentos)
- Comportamentos concretos e operacionais
- Déficit comunicacional
- Baixa auto estima


    Explicações sobre a causa da alexitimia vão de diferentes fundamentações e teorias.
Pode ser traumas/lesões cerebrais, desordens na formação neurológica, influências sócio-culturais ( traumas ocorridos na primeira infância) do indivíduo e sua relação com o ambiente e suas primeiras interações, principalmente durante o desenvolvimento das habilidades sociais.
   As respostas do Sistema Nervoso Autônomo Parassimpático, para os alexitimicos, são de uma definição operacional, como se houvesse um elo perdido, um desacordo, falta de permissão à imaginação de uma figura que remeteria à emoções que poderiam ser emergidas.
    É de grande importância para o psicoterapeuta, o domínio sobre a alexitimia e como a mesma ocorre, até pela dificuldade acarretada na comunicação  do paciente, da percepção de si, dos outros e do mundo com relevante impacto em toda esfera relacional ( parentalidade, relações interpessoais/conjugais/profissionais) e que as manifestações emocionais são permeadas de somatizações  e as emoções apresentadas como vazias e sem especificidade ou característica.
     O trabalho da psicoterapia consiste em ajudar o portador a discriminar sentimentos, sensações corporais, orientar e psicoeducar sobre a alexitimia, o como ocorre, respeitar plenamente o momento do paciente e encorajar passo a passo para melhora e assertividade do paciente e seus sentimentos e sensações.
Por trás da fala rouca do coração, existe um oceano transbordando emoções,dores, lágrimas,amores,risos, e prazeres.

"Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. Relendo a obra mais tarde, quase sempre penso ‘Não era bem isto o que queria dizer’."



Arythana de Freitas Soares

Psicóloga cognitivo-comportamental- CRP 04/43456
Fone: (34) 3083-6720

Um comentário:

Michelle Santos Coutinho disse...

Dra,o tema em questão inclui também a dificuldade de demonstrar sentimentos,fazer e receber elogios e ter uma comunicação clara e precisa? Qual a relação entre esse " disturbio" e a timidez?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...